15 de jan de 2009

Estórias que o povo conta

Eu era ajudante de peão de obra (imagina o prestígio do cargo) estava de serviço no centro de BH, e na obra eu fiquei a parte da manhã toda furando um tubulão, resultado fiquei imundo, todo sujo de terra.
Quando deu a hora do almoço, eu abri a minha marmita, e vi aqueles dois zoiudos, até estalando olhando para o meu lado, nó, mandei aquele marmitão, comi até... e depois de comer, queria tirar uma palha, e ficar lá na obra dormindo o encarregado enche o saco,
fui pra rua e sentei no chão e escorei no muro, e cochilei.
Para a minha surpresa, fui acordado com uns chutinhos por uma senhora pra me da esmola achando que eu era um mendigo, quando olhei para ela, me disse assim, toma aqui para você, e jogou uma moedinha, mas me deu uma vontade de manda-la a m*rda quando vi que a moedinha era de 5 centavos, aí eu disse.
— " Ah, dona, a senhora num tem vergonha de me acordar pra me dar 5 centavos?"
e ela saiu chingando ainda.

O autor dessa história não sei o nome, mas ele estava na mesa ao lado da minha hoje no restaurante quando a contou, e os amigos zuaram ele dizendo que era lorota, então achei o lugar certo para ela.